Translate

15 de set de 2012

Hora do ceifeiro!




Acho que funciona assim...
Você fica meio alheio a tudo, entra numa especie de apatia e passa a ver sua própria vida de fora e é bem estranho mesmo.
Como me fazem falta as musicas de roda da infância, onde meu único problema era cantar e rodar, e ficar tonta era a sensação mais gostosa no meio de tudo aquilo.
Hoje em dia ficar tonta significa estar em meio a uma roda com sérios problemas com cara de insolúveis.
Demorei um pouco pra entender que alguns caminhos aparecem para serem cruzados e pronto!
Tenho a "estranha mania de ter fé na vida" e o péssimo habito de querer tudo sob controle.
Algumas coisas são incontroláveis e pronto.
Se apaixonar é incontrolável.
Ter pesadelos é incontrolável.
O sol e a chuva são incontroláveis.
É só a vida que segue... Isso não facilita em nada minhas síndromes, mas desculpa minhas ânsias.
A vida foi boa comigo até hoje, mas anda gritando que eu me mexa de algum modo.e embora tenha um mar de tristezas aqui dentro, de mim, preciso mesmo dar aquele primeiro passo; aquele que dói um pouco mais do que os outros, mas é necessário.
E é preciso escolher onde pisar, porque alguns passos vão causar dor mesmo e outros vão ser mais confortáveis.
Eu tenho me sentido imensamente sozinha e embora eu tenha pessoas a minha volta ainda me sinto desconectada do mundo.
De qualquer modo estou aceitando as mudanças e decidindo para onde guia-las, as que posso controlar... e as demais que venham e, por favor, me façam bem.
Ando com aquela necessidade, por vezes irritante, de encontrar um ombro amigo e ficar por ali, chorando um pouco, sem falar muito, só expurgando "demônios" via lagrimas.
Confesso que minha sorte tem me ajudado, bons anjos andam aparecendo para me ajudarem a dar uma trégua para esse desesperar de sentimentos e sensações que me invadem o peito nos últimos dias.
Se chorar desse dinheiro, não precisaria mais trabalhar...
Por hora vale dizer que "a vida vale a pena se a alma não é pequena", que as reviravoltas tem seu lado positivo também, que o medo é bom por que nos faz pensar, que o primeiro passo (aquele que dói muito) é necessário.

Obrigada Nathy Keiko, de novo.
Obrigada Luciana Telles, pela a ultima "prosa", pelas risadas, pela semelhança de ideias e a certeza do mau gosto alheio e pelo convite para o mosteiro, de onde certamente seremos expulsas por tanto falar.
Obrigada Leão por suportar as chorumelas.
Obrigada João cabeça de sabão por me deixar usurpar, por completo, seu computador!

Beijos na alma








12 de set de 2012

E o tempo não tem piedade.



Hoje eu tive uma conversa com uma grande amiga, com quem não falava havia muito tempo, por conta dessas coisas da vida, e nossa conversa foi em torno do tempo que passou, e de tudo o que não fizemos.....
Falamos do tempo que se faz urgente e necessário e muitas vezes somos incapazes de acompanhar...

Eu não me lembro direito de quais eram os meus planos para os meus 37 anos, mas certamente fogem bastante de onde estou. Ser impiedoso, esse senhor tempo...
Me deu rugas, cabelos brancos, algumas decepções...
Ganhei muita coisa boa também.
Mas a pergunta que ressoa em mim é: "tenho tempo"?

Hoje pela manhã, assisti, na TV, um programa que se chama "30 coisas para se fazer antes dos 30 anos".
A cabeça é, sem duvida, um juiz impiedoso; por que meu primeiro pensamento foi: Fudeu!!! Vou ter que fazer uma lista "50 coisas pra fazer antes dos 50 anos"??
A faculdade de letras ficou bem lá atras, a de direito foi esquecida por completo, e não levo jeito pra enfermagem.
A dança ficou em algum passado distante e se verteu em quilos extras.
Onde eu me deixei???????

É, caros amigos, muitas questões que o tempo não nos da tempo para responder.

Mas a conversa de hoje, sempre maravilhosa, me deu um vislumbre de outro angulo.
E, é claro, que o que não vale é perder o resto do tempo.

Eu estive vivendo!
Eu amei a ponto de achar que ia morrer de tanto amar.
Eu falei de moda, eu vi os shows que eu queria ver (nem todos...), eu viajei e vi gente, eu aprendi historia, falei com índios, cantei na chuva e tomei porres de vinhos. (malditos porres de vinho...)
Eu fui "poeta", e me quis atriz.
Eu dancei em publico e dancei sozinha e dancei para um publico! (não, nada de dança sensual...)
Eu briguei com as minhas amigas e fiz as pazes com elas.
Eu me casei e descasei e casei de novo e descasei outra vez (graças a Deus...) E sou a favor do casamento.
Eu assinei abaixo assinados, eu pintei a cara na era Collor, eu corri de punk e dividi marola com hippie.
Eu tive filhos, eu fiz aborto (foi um erro, pra mim!!! Esse assunto é mesmo coisa muito pessoal).
Eu fui na macumba e fui na igreja evangélica e continuei indo na igreja católica até sentir que não era ai que eu queria estar, pra mim não bastava.
Eu ri em teatros e chorei em cinemas.
Eu li tantos livros que uma hora se confundiam em mim.... ate bula de remédio eu andei lendo.
É, sou Nerd assumida mesmo!

Eu vivi!!!

Não, eu não estou nem perto das minhas pretensões dos anos passados...
Mas eu estou aqui!
Eu tenho os melhores amigos do mundo!
Eu tenho os melhores filhos do mundo!
Eu tenho o melhor relacionamento do mundo!

E não sou tão feliz assim, e eu tenho medo de um monte de coisas, e eu erro feio, e acerto lindo, e eu amo e odeio com a mesma intensidade.
Eu posso estar doente, mas não estou morrendo!
E não sei se vou fazer uma lista das "coisas pra fazer antes de morrer"... muito lúgubre, até pra mim.

Agora to ocupada comigo, com as minhas mudanças.
To "possuída" com uns e outros por aí e to aqui.

Simples assim!

Obrigada, Nathy, pelas horas ao telefone e pelas palavras sempre certeiras. Pela amizade e pela alegria de ter lembrado da vida que pulsa em mim.





Beijos a alma!

10 de set de 2012

Falando, simples assim...




E de repente a gente se cansa...
Ando bem irritada.
Aborrecida com a falta de ética das pessoas, remoendo velhas broncas que ficaram no peito.
Decepcionada com a falta de verdade em muita gente e com muitas preocupações... Minha época de mudanças esta aí, batendo na porta.

Ando preocupada comigo!

Descobri um inchaço estranho no pescoço, e dado o histórico familiar de câncer, já estou apavorada.
Eu não sei dizer, mas assim de repente parece que todo o “meio de campo” ficou embolado.
E essas incertezas são de matar.

Fico pensando em todas as seleções que se fazem naturalmente na vida da gente, e imagino se essas rasteiras da vida não vêm com a finalidade de colocar a gente no caminho certo, mesmo que pareça torto no inicio.

Ando retorica, eu bem sei. Mas acho que as coisas tristes não se gastaram em mim.
Ando precisando de coisas novas. E precisar do novo também é natural.

Com o tempo a gente vai aprendendo a encarar os desafios, mas é impossível evitar os medos.
E de medo eu entendo bem...
Tenho medo de errar nas escolhas, tenho medo de errar nos julgamentos, (por que, sim, mesmo sem querer fazemos julgamentos!)
Tenho medo de errar nas palavras, medo de errar nos gestos, medo de errar na vida alheia.

E mesmo com medo, a opção é seguir em frente.
E de repente compensa que essa seja a única opção, assim desistir fica inviável.
Não sou muito boa em desistir das coisas...

E assim vou seguindo meu caminho de tijolos nada amarelos. Desejando um ombro amigo de vez em quando, ansiando certezas que estão completamente além de todas as minhas possibilidades e continuo indo.



Amor a todos

Beijos na alma.


2 de set de 2012

Fechando as portas.



Eu tenho me sentido muito só nos últimos dias.
Trabalho ruim, filhos dando trabalho, vida dando aquelas rasteiras que deixam a gente com raiva...
Uma vontade absurda de chorar.
Mas é aqui que a gente paga o preço pelas nossas escolhas.

Eu ando carregando algumas magoas aqui no peito.
As vezes penso em vomitar tudo o que tenho sentido, as vezes penso em deixar pra lá.
Vou achando que não vale a pena, mas esse sentimento que conheço como raiva me compele a repensar.

Eu li por aí que não existe ex amigo, existe filho da puta! E quer saber? Concordo!
Mas tem um "limbo" entre um extremo e outro...
E aqui eu penso que algumas pessoas já não valem a pena.
Estou mudando tudo mesmo, então pra que dar valor a qualquer coisa ruim, de quem não tem mesmo tanta
importância na minha vida.
Eu já disse antes, e repito, a vida é feita de um grande processo seletivo do que é bom e vale a pena e do que não é.

Essa coisa de magoa é complicada.
Se você prende pode ganhar um câncer, se você solta ganha magoas alheias... Complicado essa coisa de ser gente,
Acho que todas as pessoas sofrem, de vez em quando, da síndrome do estrangeiro.
Sabe como é? Quando você não se encaixa, esta desconectado do resto do mundo?
Pois é.
Sinto uma saudade brutal da minha terapeuta...

Ando cansada. Cansada de gente que precisa provar qualquer coisa sobre si mesmo.
Eu não sei dizer como, mas quem é o que quer ser, é e pronto.Não precisa listar sobre si mesmo!

Vou deixar a magoa passar. Aceito que não vale mesmo a pena.
Coisas bregas me aborrecem!
Volto, eu acho... quando a raiva diminuir e essa coisa toda em mim se amenizar.




Amor à todos
Beijos na alma.


26 de ago de 2012

Vivo do que me faz bem!




E de repente se torna obrigatório viver do que nos faz bem!

Bons amigos fazem muito bem!
Pessoas não tão boas  fazem um mal danado. E a gente ainda perde tempo...

Prazer ajuda a remoçar!
Aprender a viver ajuda a achar as coisas que nos fazem bem.

Romantismo em excesso machuca e torna a pessoa amarga. E nem sempre a pessoa percebe que a culpa é dela mesmo... Sim, romantismo demais provoca sérios danos às boas relações por causa do excesso de expectativa que a se joga em tudo.
Romantismo, na dose certa, é excelente para o bom humor, para a saúde física e metal, para o prazer de estar vivo.

É preciso ler bons livros, ver bons filmes e beber bons vinhos.
Acompanhado é ótimo. Sozinho é saudável.

Rir a toa, brincar com os filhos, com os bichos de estimação, aprender que esperança é um sentimento e que gratidão TAMBÉM é!
Tudo isso faz um bem enorme a mente, ao corpo e a alma.

Amenizar criticas férreas aos outros e nós mesmo pode ajudar um bocado.
Respeitar seus limites e os limites alheios são luzes no fim do túnel.
Perceber que ninguém detém toda a verdade nem todo o conhecimento sobre tudo e que as outras opiniões tem sua relevância mesmo que não mude nada para você; não vai salvar seu bem estar, mas com certeza não vai provocar seu mal estar.
Lançar um "foda-se" de vez em quando e um "Puta que pariu" desopila o figado!

Amar!
Amar com coração.
Amar com o corpo.
Amar com a boca,
Amar com os olhos.
Rejuvenesce uns 12 anos.

E o que não faz bem...
Gente que tem um mundo só seu, que não amadurece, que é egoísta, que não percebe nada além do umbigo.
Lugares que não agradam, leituras que não são boas... tudo aquilo que não vale a pena. delete!

A alma leva marcas indeléveis da nossa existência; o ideal é procurar fazer o melhor possível!
E é assim, escolhendo o que é bom para si que vamos seguindo.

Amor a todos.
Beijos na alma.





5 de ago de 2012

Onde possa me ouvir...





Semana longa.
Tarefas mil, e a cabeça mais a mil ainda, se é que é possível.
Ando numa tensão tão absurda que tudo em mim dói. O tempo passando, as mudanças que planejei se aproximando e me da um friozinho na barriga.
Audiência com ex marido semana que vem, mais tensão.
Filhos crescendo, querendo, precisando de tudo e sempre mais.
De repente parece que o chão esta fugindo um pouco dos meus pés. São tantas coisas pra fazer... em tantas eu tenho que me dividir, por vezes parece que não vai dar.
Mas só as vezes.
Essa semana eu senti saudades das pessoas, como eu não sentia há muito tempo.
Saudades de algumas amigas, agora tão distantes, saudades até dos anjos e demônios que habitaram a minha vida.
Saudades do meu Leão.
Saudades de um pouco de silencio e longas horas de frente para o mar.
Uma vontade imensa de falar de tudo o que me aflige por horas infinitas até se gastarem todas as sensações; e ao mesmo tempo vontade de silenciar para o mundo e deixar as coisas apenas acontecerem.




22 de jul de 2012

Falando de passado.




Agora é hora de voltar, após alguns meses de afastamento proposital e natural. Volto a escrever por aqui.

Certas vezes tudo acontece a seu tempo e em sua forma para nos fazer enxergar melhor.

Esses dias li um manuscrito de um livro, com um texto sobre mim.
Esse texto me fez enxergar uma série de coisas, sobre mim mesma, e sobre o mundo a minha volta.
Eu mesma sou muito a ferro e fogo com todas as coisas, com pessoas, com decisões. 
Tenho consciência disso! 
E sempre prezo a verdade, mas o texto me descreve como tendo "um lado omisso preponderante".
Confesso que não demorei muito pra entender o significado, pois não era surpresa alguma que quem escreveu me achasse uma mentirosa.
Mas ao caro leitor que aqui esta, explico: sei que omisso, com essa carga de palavras, parece com 'não se manifestar com relação a algo'; mas na verdade a ideia aqui é a de omitir, esconder.

E foi assim que vi algo que eu já dizia, se mostrar mais real: Uma história sempre tem dois lados!
Quando eu tive esse relacionamento que consta, em parte, no manuscrito, eu saia de uma relação anterior conturbada, confusa e dolorida; e por ter encontrado uma pessoa mais velha eu acreditei piamente que não teria que "adivinhar" sentimentos... Mas o outro lado queria essa adivinhação... Eu entendi que não precisava desenhar os meus sentimentos, pois estavam claros, mas para o outro lado não era assim.

Hoje não me importa, nem um pouco, o que era certo ou errado e esse passado realmente passou; à essa pessoa, alias, dedico muito carinho, muita amizade, e gratidão. 
Afinal um momento leva a outro e sem aqueles desentendimentos não estaríamos onde estamos hoje.
E hoje eu estou mesmo realizada!

Com tudo isso, quero falar sobre o "ferro e fogo" das decisões, e dos julgamentos.
Toda verdade é unica, mas cada historia tem dois lados. 
Respeitar o outro lado e considera-lo antes de julgar é o que devemos fazer, não por sermos melhores (por que não somos mesmo), mas para sermos dignos do outro. Não como casal, mas como pessoa.

Durante muito tempo os julgamentos que fiz não fizeram diferença, até entender esse simples fato.
Hoje recebo os julgamentos alheios e me atingem pouco, mas não esclarecer  os pontos obscuros, inexiste em mim.

Por sorte, só tenho a agradecer.
Com as coisas que acontecem a gente vai aprendendo, inclusive a como não ser.
E com esse aprendizado e seleção de todas as coisas, a vida vai ficando boa.
Hoje aprendi a diferença, a simples diferença, de compreensão de uma unica questão!
Aprendi comigo mesmo que todos temos direito aos nossos momentos, e que isso não significa mentir, ou enganar ninguém. 
Levo meu coração tranquilo.

Com o tempo você vai aprendendo qual a real importância das coisas.

E explicando meu sumiço para retornar ao foco do texto...
Depois de uma depressão daquelas, com direito a crise de pânico no meio da noite, em plena a chuva torrencial que caia, comecei a dar meus primeiros passos para a melhora.
Estou mudando em breve,
De lugar, de ideia, de contexto, de circulo, de ideais...
Estou me aprontando para começar de novo, do zero, sem nada, contando comigo mesmo e com o mundo todo.
Deixando pra trás todos esses momentos que doeram um pouco, mas me fizeram melhor.

De resto, deixo algumas desculpas, e aproveitando pra limpar o peito e deixar passar pesos que ficam acumulados na gente e um dia arrebenta... 
Vou deixando alguns recados.
Os nomes, ficaram guardados para preservar ambos os lados... Mas aí vai:

N. Se eu tivesse que definir tudo em você numa só palavra seria "obrigada". Você foi a luz do meu caminho, e foi quem me guiou do labirinto de mim mesma, para as chances de felicidades que sucederam sua passagem na minha vida;
Mesmo com essa distância, só posso dizer que no meu coração, teu lugar cativo tem teu nome nele!!!

E. Sabe aquela musica do Zeca Baleiro - Bicho de sete cabeças? Pois é... acho que é o que pode definir tudo o que passamos. Simplesmente não era nosso caminho. Foram dias de felicidades para anos de terapia. De qualquer modo o peso das boas coisas deve prevalecer. De todo o meu coração, te desejo toda a felicidade do mundo!

R. À você, minhas sinceras desculpas.
Eu senti, sim, sua dedicação, seu carinho, seu amor. Senti até sua loucura. 
Só não pude corresponde-los. 
Eram muitos sentimentos gratuitos e minhas feridas me assustavam. 
Não quero que me perdoe e não quero vinculo.
De qualquer modo, preciso registrar o quanto você é especial e o quanto merece alguém tão especial quanto você. 
Apenas aprenda a dosar. nem demais e nem de menos, no ponto; o resto você tem, e combinado com esse par de olhos verdes, não tem pra ninguém. Meu carinho eterno a você.

S. É hora de olhar o outro lado da moeda!
Obrigada por me fazer enxergar minha incapacidade, com você aprendi que embora, por vezes, acreditemos amar plenamente, esse amor não é suficiente se for unilateral; mesmo que o nosso desejo queira isso. 
Sem você, eu não entenderia o quanto merecemos do outro também, e que a relação tem que ser de igual pra igual, não adianta jogar expectativas e frustrações, por que cada ser humano é único.

Leão, ja não há palavras inventadas em nenhum idioma para te traduzir!
Nem os "obrigadas" do mundo todo valeriam para agradecer, sua amizade antes de tudo, sua parceria antes de qualquer outro sentimento, sua intensidade, sua inteligencia e esse ar de liberdade que tenho em você e que me mantém cativa!
Todo esse tempo tem sido de muita alegria em meu coração, Essa paz que me proporciona e essa possibilidade de falar tudo sem parecer, erro, pecado ou farsa são os melhores presentes que já recebi de alguém.
Obrigada por existir na minha vida!!

Amor à todos.
Beijos na alma.

10 de jun de 2012

Em mais um dia desses...




Então, um dia você percebe que ela esta lá...
Eu já nem sei o que é mais complicado. Não aceitar que existe um problema, ou entender que ele existe e já não ter como lidar como ele.

Minha médica, foi categórica dessa vez: "Depressão, disse ela - sugiro terapia e um remedinho só pra dominar a angustia."
Eu quis cair na gargalhada, por que parecia muito engraçado vê-la falando comigo como se eu não estivesse ali.
Ou será que não estava mesmo?

Sim, por que hoje em dia eu já não tenho mais tempo para a depressão.
"Doutora eu levanto as 5 da manha todos os dias, trabalho por mais de 10 horas, eu estou muito cansada sim, mas tenho uma casa para administrar, contas a pagar e 3 filhos adolescentes para cuidar. Não tenho tempo pra depressão. Faço tudo isso sozinha!"
O olhar dela, me encarando por cima dos óculos, com aquele sorriso na lateral da boca, dizendo em silencio "E X A T A M E N T E!!", foi devastador.

"Não vou tomar remédios!" assegurei.
Ela assentiu com a cabeça, e cai num choro convulsivo e incontrolável.

Fato.
Saí de la, achando que entendia toda a minha apatia dos últimos dias, meses, talvez anos...
E essa solidão que fica me comendo aqui por dentro, será que tomo remédio pra ela também?

Quer saber odeio admitir que aquela criatura de cara ossuda e branca e dentes perfeitos, vestida de branco como se fizesse comercial de sabão em pó, estava certa.
Só que agora não sei o que fazer com a informação.
Então estou aqui... de novo desnudando minha 'alma deprimida', e sem certeza do que escrevo.
Só escrevo... hora pelo prazer, hora pelo desespero de não saber calar.

É só mais um momento, e uma hora vai passar.
Eu continuo tendo pouco tempo e pouco dinheiro, também, para a depressão.

To vendo que o buraco ta me engolindo, mas uma hora chego ao fundo e a unica saída vai ser subir de volta.
Vou continuar falando, vou continuar escrevendo e vou continuar dizendo o que quero dizer.
Simples assim.

Ah, não quero remédios mais baratos, obrigada!
Quero só continuar sendo eu mesma, deprimida ou não.


Amor à todos.
Beijos na alma.

3 de jun de 2012





Eu passei um tempão sem aparecer por aqui...
Queria dizer que foi bloqueio literário. Acho chic!
Mas a verdade é que eu precisei desse longo período para reavaliar as coisas a minha volta, e o caminho a seguir.
Curioso que nesse meio tempo, nada de muito novo aconteceu.
Algumas amigos *idos* (alguns já bem tarde, diga-se de passagem) e nenhum novo chegando.
Não sei dizer bem por que, embora em meu coração eu sinta com muita clareza, mas andei com medo de criar relações com as pessoas.
Coisa difícil essa de relações humanas.
E assim fui ficando quietinha no meu casulo.

Eu sempre acho que a gente tem que fazer o melhor possível, para si próprio. E que isso vai acabar afetando as pessoas que a gente gosta. Por isso é preciso saber quais são as escolhas mais sensatas. E o melhor pra mim foi mesmo ficar quietinha.

Outro dia, tive uma experiencia curiosa.
Tenho uma amiga, de longa data, com quem sempre me importei muito. E sei que existe um potencial ali dentro escondido em algum lugar. E eu, linguaruda como sempre, falei que achava que ela devia parar de se "esconder", e acreditem foi a coisa mais doce que eu disse pra alguém nos últimos tempos.
A reação?
Me disse que sou dona da verdade e por isso julgo as pessoas, e que todo mundo devia me dizer isso o tempo todo.

E isso me fez refletir muito e até fazer uma pesquisa!
Na verdade, não! Nunca me disseram isso ou se ofenderam comigo, a menos que tivessem ficado calados...
E sai perguntando mesmo.
Lembrando de momentos, em que fui mais ríspida ou algo equivalente.
E adivinhem só?
Não; ninguém nunca se ofendeu.
E se ficou zangado por um momento, parou pra repensar, e chegou a conclusão de que, mesmo que eu não esteja certa, aquilo podia ser usado em prol de si próprio.
Não é essa a nossa questão?
Não é assim que deveríamos fazer?
Buscar o melhor para nós mesmos, de todas as coisas existentes?
Minha amiga Nathalya, chegou a me dizer que *por vezes odeia me ouvir, mas odeia por que mais tarde vai descobrir que estou certa.*

Enfim, realmente tudo a minha volta ganhou uma nova dimensão com essas percepções e declarações.
Mas eu precisei de tempo pra administrar e até mesmo entender, o que (e se) tinha mudado tanto assim em mim.
Peço desculpas aos meus caros amigos e leitores.
Mas é assim mesmo que eu sou e foi assim que ganhei o carinho e amizade de muitos e perdi muitos.
Mas é isso que tenho a oferecer.

Então chegou aquela fatídica, e adorável, hora onde se faz a seleção natural de todas as coisas.
Que seja, então.

Volto depois com mais calma, com mais coisas pra contar, e pra renovar o estoque.


Amor a todos.
Beijos na alma.

11 de fev de 2012

Explicado em verso e prosa.



Eu dei uma trégua ao silencio.
Deixei ele pousar aqui no meu peito, se instalar por um tempo e não dizer nada.

Eu me entreguei!
Ao trabalho com total frenesi, aos livros, a boa musica, as cores, ao chocolate e ao vinho suave.
Um pouco pra ocupar a mente, e permitir que o silencio nada falasse.

Eu me ausentei!
Dos serviços domésticos, das questões estéticas, das leituras de revistas e dos jornais da TV aberta.
Não, não foi por relaxo.
Era repouso e um pouco de esculacho.

Eu abdiquei!
Dos amigos *menos amigos*, dos parentes, de eventos, das compras (mantive as de sapatos, não resisto.), das novelas, das musicas bregas (detesto mesmo, quase todas), da hipocrisia e de uma visão parcial.
Chega de males NÃO necessários.

E eu repensei!
Decisões, atitudes, palavras (ditas ou não), conceitos, regras e limites.

Não chorei, já havia secado o tempo.
Não reclamei, já havia sacado o momento.

E vou deixando fluir o sentimento, vou deixando o silencio ficar; hora me odeio, hora me adoro e vou me perdoando quando acho necessário.
Pareço estranha, mas são só pensamento que se encontram.

E de resto esta como sempre foi.
Tenho sapatos azuis, um kit novinho de sombras, esmalte roxo e cabelos vermelhos.
E é assim que vou seguindo meu caminho.

Ao silencio: que fique aqui e não diga nada!
Ao destino: que siga, que se faça!
Ao amor: que seja, permaneça!
Ao futuro: que pretenda, aconteça!

E de resto, deixo apenas ser.

Amor a todos
Beijos na alma.

4 de fev de 2012

Ah é assim que é..




A vida voltou a me chamar.
Essa semana foi de intenso trabalho, e eu estou mesmo me empenhando. E ai de repente muitas outras coisas começaram a acontecer.
A vida vem fazendo sua seleção natural de coisas e acasos, de pessoas e passagens; e eu, dessa vez, vou deixando acontecer. To sempre controlando tudo. Agora ate que deixei pra la, por conta da própria vida.

O Leão esta viajando; e eu decidi, mesmo antes da viagem, que ia tirar esse tempo pra mim.
Minha ideia era ficar em constante silencio e meditação.
Salvo alguns amigos que eu queria ficar um tempo perto. Tava até organizando esse tempo, aí uma das amigas desistiu de cargo, e ganhei mais algumas horas pra mim.

Eu tenho pensando muito na minha vida, e me preparado para as mudanças que virão. Afinal serão muitas. Mas prefiro me planejar um pouco mais antes de contar.
Estranhamente, ou não... minha relação com meu trabalho esta muito melhor. Mesmo sem querer acabei organizando um bom grupo e me encaixei direitinho nele. O trabalho voltou a ser prazeroso, e isso é uma alegria!

O ano começou cheio de indícios que veio pra acontecer.
Ha tanto pra eu pensar e decidir que as vezes acho que não vou dar conta... fora o medo que me da de vez em quando; e fico com vários pensamento de "e se" na cabeça, embora eu saiba que de "e se" não se vive.

E tenho me sentido muito sozinha, ultimamente.
Daqueles *sozinhos* que doem no coração, e da uma tristezinha la na alma. uma vontade grande de conversar com alguém, mas vou falar o que? se não ha muito pra falar.
Eu sei que parece meio louco, e eu ate achei que fosse TPM, mas não é.  Então deixei o sentimento aqui e fui sentindo ele, pra deixar gastar.
Acho que é essa vontade de ver as coisas acontecendo e o medo delas não acontecerem...

Acho que quando você *briga* sempre sozinha, e de vez em quando sente que a luta é maior, é natural esse sentimento. E agora a luta esta maior.

De qualquer modo, vou encarando, por que é assim que a gente vive e se sente bem no final!
Um pouco de por de sol, uma cerveja bem gelada e um bom jazz ao fundo, e amanha é outro dia, e com ele em outra chance para o que quer que seja.

Amor a todos.
Beijos na alma.

13 de jan de 2012

Sobre ser mãe...






Eu nunca consegui decidir se sou ou não boa mãe...
É um duvida que fica aqui no peito da gente, e so vai embora quando os filhos se mostram pessoas de fato!
Eu amo meus filhos, por isso mesmo não abro mão de mim.
 Não quero ser o tipo frustrado que depois de velha diz que "depois que tive filhos, não tive mais vida" ou "meus filhos vao cuidar de mim quando eu for velha!"' cruzes.
Prefiro que eles cuidem deles desde sempre.

Eu sempre mostrei o caminho, mas nunca dei os passos por eles. Embora tenha amparado varias quedas...
Desde pequenos eu os ensinei a decidirem o que queriam e a se responsabilizarem por suas escolhas, fossem elas boas ou nem tanto...
Nunca saí correndo do meu próprio tempo por um chamado se não fosse, da fato, emergencial; mas sempre estive lá.
Estranho, embora eu ache que trilhei o caminho da educação, da formação e nao apenas da criação, tenho duvidas se é o certo.
Vejo mães correndo, saindo em desespero por que o filho chamou "mãe".
As vezes a criança só quer se certificar que a mãe esta ali.

Ai vejo a mãe toda angustiada a servir com desespero a criança, e na sequencia sem saber por que a criança é tão dependente dela...
Pra mim, parece um mundo estranho, outra dimensão. mas deve ser por que sempre criei os meus filhos para serem independentes.
As vezes me pergunto se fiz bem.
Mas quando os vejo falando de igual para igual com qualquer um com quem conversem, quando os vejo falando de mim de boca cheia, dizendo "a minha mãe é demais, é a mulher mais guerreira e forte que eu conheço", ahhhhh me derreto!!
É aqui que vejo que estou acertando!
E sim, falho também1
E aqui vem meu maior acerto, pois quando eu falho, ao invés de ficarem desesperados, ou zangados, eles simplesmente me apoiam para a nova tentativa.

É...
Eu sempre vou ter as duvida.
Mas também sempre vou ver que o caminho era o melhor!!!


Beijos na alma.

1 de jan de 2012

E chegou 2012...



Sem muitos planos ou intenções, acabei por passar um dos reveillons mais engraçados da minha vida.
Do alto de edifício Copan, onde a neblina mal nos deixou ver os fogos, comemorei o inicio de mais um ano e todas as suas 365 chances de ser feliz.
Mas comigo nada pode ser assim tão simples, tudo precisa ter um certo humor, afinal é desse modo que nossa vida vai acontecendo.
Nos juntamos, Cataldo (gente o que é Cataldo??? Qualquer dia tento explicar esse ser para vocês), O homem mau-macho alfa dominante, o Leão e eu!
Rimos, conversamos e fomos para o terraço, nós e 70% do Copan, também!
Da-se que nessas farras de ano novo, a gente quer sempre tirar uma foto de todos os envolvidos no "crime". E eu, sempre *socializante* resolvi solicitar a um Frances e 2,50m d altura, que não me deu a menor atenção, mas a amiga dele prontamente me deu os votos de feliz ano novo, num abraço caloroso.
Eis meu primeiro susto.
O que, por Deus, era aquilo? Como assim aquela mulher com channel de bico, um vestido de corte channel, e um voz de Netuno fazia ali, tudo junto no mesmo ser?
Eis que a moça (o moça aqui é por minha conta) se prontificou a tirar a foto, fora de foco, que marcaria nosso reveillon.
E deu-se o segundo susto, dessa vez dos meninos.
Quando o Netuno de channel viu o Leão, voou como o Batman, pra cima a cumprimentar-lhe com o efusivo aperto de mão, que, se não quebrou os dedos passou perto, um puxão que quase levou o braço, e um beijo no rosto teatral.
E aqui foi a cena mais cômica, apesar do tempo ter corrido normal, todos nós tivemos a impressão que ele corria lentamente para que pudéssemos ver as reações uns dos outros.
Cataldo, abriu os olhos tal qual um desenho japonês, e tinha a certeza que eu pularia em cima do Netuno de channel, pronta a arrancar-lhes os dentes a tapas. Segundo ele, já nos via indo pra delegacia enquanto o Netuno de saias ia para o hospital.
O macho alfa, postou-se um passo a frente do Leão e do Netuno de saias, tal qual um pavão, com o braço pronto a me aplicar um golpe de telecat, caso eu decidisse quebrar a garrafa de Jack Daniels na cabeça daquilo la, estragando de vez o channel do Netuno.
Eu vi a reaçao dos dois, e achei muito engraçado. Não que eu não tenha pensado em dar uma voadora, puxar a criatura pelo channel, rasgar o vestido de corte perfeito e joga-la do alto do Copan.
Mas sou uma dama completa. Jamais me prestaria a tal serviço.
E o Leão, assistindo a todas as reações e sabendo o que cada um de nos pensava, conteu a crise (habitual) de riso, até o Poseidon da lama se afastar.

O resultado foram risadas madrugada a dentro, e ate agora enquanto preparamos o almoço e eu relato nossa virada de ano!!


E só pra não perder a caminhada, aproveitemos cada dia para sermos mais feliz!!
Ótimo 2012!!


Beijos na alma.