Translate

10 de set de 2009

Andanças por minha alma...






Nos últimos dias andei dedicando especial (e completa) atenção à mim mesma.
Como todos já sabem, meu processo de auto-avaliação começou há alguns dias com uma desilusão. E, nesse fim de semana culminou em novas ideias e novos ideais.
Engraçado como poucos dias fizeram uma transformação em mim...
É como se tudo houvesse se modificado de um modo que ainda não sei explicar, mas sei que é grande e significativo. E sei que é bom!
Em um piscar de olhos, vejo novas cores, novos ângulos, sinto de outra forma...
Em meu coração, acalmou-se o que era dor e saudade. Abrandou-se o que era um grande amor... Meu coração agora anseia, sim, por grandes paixões para pulsar. Deseja paixões pela vida!!
Em meus pensamentos, ideias e sonhos já esvaeceram, deram lugar ao novo.
O lugar é para novas metas, novos objetivos.
Meu espírito sentiu-se tão pleno e satisfeito que deixou sua leveza espalhar-se ao meu redor.
Recomeço!!!
E esse recomeço não veio sem dor, admito...
Antes dessa nova forma de ver, fui obrigada a encarar de frente, sem proteção, olhos nos olhos, meus sentimentos mais reais... Fui obrigada e exposta à dor mais forte que meu ser passional pode sentir. E suportei!
Então era, também, chegada a hora da reflexão.
De resgatar velhos amigos, antigos hábitos bons, renovar esperanças, abrir espaço para o novo.
Como diria Florbela Espanca, adapto sua frase:
"É conhecendo as pessoas, que perdou aos tigres as suas garras que me dilaceram..."

Ferida? Sim! Mas já em cicatrizes.
Nova fase, coração aberto, sorriso franco, alma nua!

Amor à todos.
Beijos na alma

3 de set de 2009

Depois da turbulência, a suave tempestade.






E sempre há razões para chorar.
Saudades, solidão, amor unilateral.
E sempre há razões para sorrir!
Família, vida, amigos, vida, amor próprio, vida, sorrisos, vida, beijos, vida, alegria, vida.
E viver é um mar de razões, é espaço para diversas paixões.
Se me perguntam se prefiro intensidade ou tempo, vou responder: Utopia!
Enfim, a vida volta pra dentro de mim, latejando em cada veia, gritando sua existência e suas necessidades em cada poro...
Meu coração se liberta.
Amei tanto e tão só que tudo acalmou-se em mim, transformou-se... E com uma simplicidade que me assustou... É uma nova fase.
Agora tenho fome de viver novamente.
Quero o desespero e a sofreguidão das grandes paixões em mim. Quero plenitude, quero verdade. Quero voltar a viver!
Novamente, se me perguntam: Intensidade ou eternidade?
Respondo: Utopia!
Sou intensa demais e só sei viver assim por cada segundo do meu existir.
Só vivo sob fortes paixões!!!
Chorei de saudades, desejei que ficasse, que voltasse... Não posso mais suplicar.
Não me oponho. Aceito!
Para a vida me disponho! Inteira!

Transformar-se e renovar-se.
Sou tempestade, derramo esperança e alegria.
Sou vento forte, sou brisa mansa.
Sou poeta e sou poesia.

Existir, apenas, não me contenta, preciso viver plenamente!!!!!

"Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome!"
(Clarice Lispector)


Amor à todos.
Beijos na alma.