Translate

11 de nov de 2016

2º conto #tambéméviolência





Na primeira vez, eles ainda namoravam, e ele disse:
- Nossa, amor, esse batom ta feio, ta muito puta, troca.
Ela trocou.
Quando já estavam casados, ele disse:
- Esse olho está muito preto, horrível; lava essa cara lá no banheiro.
Ela lavou.
Em uma ida ao cinema, ele disse.
- Você vai com essa saia? muito curta, coisa de puta.
Ela foi com a saia e ele não gostou, andava rápido, a saia subia e ela puxava para abaixar, mas não reclamou. Então ele disse:
- Eu te avisei. Saia curta não dá nem pra andar, se te perguntarem o valor do programa com que cara eu fico?
Ela ficou com vergonha e então, desconfortável.
Em outra dia de passear ele disse:
- Vai com esse vestido?? ele não esta apertado demais para o tamanho do seu corpo?
Ela desistiu de sair e ficou em casa chorando, Ele foi, lá ficou com outras mulheres; o casamento deles não era aberto.
Ela voltou a trabalhar porque ele, apesar de ganhar bem, não dava conta de pagar as noitadas que fazia sem ela e as contas da casa. Call Center, meio/período, pois tinha que ser esposa, dona de casa, mãe. Um dia ele disse:
- Para quê essa cara maquiada? ninguém vai te ver, mesmo.
Então ela disse.
- Porque eu gosto!
E saiu.
Foi sua primeira reação.


Ele mina sua auto confiança? Diz que você parece puta por causa de uma roupa ou batom?
Isso não é cuidado, isso é machismo! Isso #tambéméviolência @chegadeviolência


4 de nov de 2016

1º conto #tambéméviolência




Um dia ele estava na padaria com os amigos, eu cheguei por trás dele, quietinha, ia dar um susto. Os amigos dele começaram uma "brincadeira", perguntando sobre as mulheres de onde ele trabalhava, e ele respondeu que eram gostosas, lindas, uma delicia e por aí vai.
Eu estava bem atras, ouvindo, e os amigos riam.
Eu fiquei sem graça, constrangida!
Quando os amigos perguntara, sobre mim, ele disse "ah, sei lá, deve estar por aí me procurando, combinamos de nos encontrar no parque, mas eu vim pra cá com vocês". O estouro de riso foi alto, irônico, era, também, para mim. Era, também, DE mim!!
Eu estava me sentindo mal, ridicularizada!
Ele olhou para trás, olhou pra mim; caiu na risada e me abraçou.
Eu ri contrariada.

Ele nunca se desculpou, ficou tudo na ideia de que era apenas brincadeira. Depois dessa, várias "brincadeiras" aconteceram.
A violência tinha começado, eu não tinha percebido.

Ele debocha de você??
Isso não é brincadeira. #tambéméviolência #chegadeviolência


Participe dessa campanha contra a violência!
conte sua historia. mande seu relato para mandapramariah@gmail.com, autorize a publicação, informe de deseja que seja anônima ou não.

2 de nov de 2016

Voltando a ativa #chegadeviolência #tambéméviolência

Depois de um tempo quieto o blog Alma Nua volta a suas atividades.
Começando nessa sexta, 04/11, e até o final de dezembro, reabriremos os contos de sexta somente sobre mulheres com histórias reais, anonimas ou não, sobre violência contra mulher.
Usaremos a #chegadeviolênvia e #tambéméviolência, (essa usada recentemente, pelo instituto Artemis em uma campanha do mesmo teor).

Algumas forma de violência não ficam claras a principio, mas também são violência.

Quem quiser participar, com suas histórias pessoais, pode enviar e-mail para mandapramariah@gmail.com, informe no e-mail se quer ficar anonima ou não, os e-mails que vierem sem a informação serão publicados de forma anonima.
Ao mandar o e-mail, é necessário que autorizem a publicação e veiculação das histórias na internet, de forma clara e expressa.

Vamos contar nossas histórias e ajudar outras mulheres a se fortificarem!
Somos todas vencedoras!

#chegadeviolência
#tambéméviolência
#machismomata