Translate

3 de jun de 2012





Eu passei um tempão sem aparecer por aqui...
Queria dizer que foi bloqueio literário. Acho chic!
Mas a verdade é que eu precisei desse longo período para reavaliar as coisas a minha volta, e o caminho a seguir.
Curioso que nesse meio tempo, nada de muito novo aconteceu.
Algumas amigos *idos* (alguns já bem tarde, diga-se de passagem) e nenhum novo chegando.
Não sei dizer bem por que, embora em meu coração eu sinta com muita clareza, mas andei com medo de criar relações com as pessoas.
Coisa difícil essa de relações humanas.
E assim fui ficando quietinha no meu casulo.

Eu sempre acho que a gente tem que fazer o melhor possível, para si próprio. E que isso vai acabar afetando as pessoas que a gente gosta. Por isso é preciso saber quais são as escolhas mais sensatas. E o melhor pra mim foi mesmo ficar quietinha.

Outro dia, tive uma experiencia curiosa.
Tenho uma amiga, de longa data, com quem sempre me importei muito. E sei que existe um potencial ali dentro escondido em algum lugar. E eu, linguaruda como sempre, falei que achava que ela devia parar de se "esconder", e acreditem foi a coisa mais doce que eu disse pra alguém nos últimos tempos.
A reação?
Me disse que sou dona da verdade e por isso julgo as pessoas, e que todo mundo devia me dizer isso o tempo todo.

E isso me fez refletir muito e até fazer uma pesquisa!
Na verdade, não! Nunca me disseram isso ou se ofenderam comigo, a menos que tivessem ficado calados...
E sai perguntando mesmo.
Lembrando de momentos, em que fui mais ríspida ou algo equivalente.
E adivinhem só?
Não; ninguém nunca se ofendeu.
E se ficou zangado por um momento, parou pra repensar, e chegou a conclusão de que, mesmo que eu não esteja certa, aquilo podia ser usado em prol de si próprio.
Não é essa a nossa questão?
Não é assim que deveríamos fazer?
Buscar o melhor para nós mesmos, de todas as coisas existentes?
Minha amiga Nathalya, chegou a me dizer que *por vezes odeia me ouvir, mas odeia por que mais tarde vai descobrir que estou certa.*

Enfim, realmente tudo a minha volta ganhou uma nova dimensão com essas percepções e declarações.
Mas eu precisei de tempo pra administrar e até mesmo entender, o que (e se) tinha mudado tanto assim em mim.
Peço desculpas aos meus caros amigos e leitores.
Mas é assim mesmo que eu sou e foi assim que ganhei o carinho e amizade de muitos e perdi muitos.
Mas é isso que tenho a oferecer.

Então chegou aquela fatídica, e adorável, hora onde se faz a seleção natural de todas as coisas.
Que seja, então.

Volto depois com mais calma, com mais coisas pra contar, e pra renovar o estoque.


Amor a todos.
Beijos na alma.

3 comentários:

Anônimo disse...

kkkkkkkk
Tenho odio mesmo!!!!
Mas tenho muito mais odio quando vc tem razao. Nao retiro uma palavra.

Quer saber? deleta quem nao vale a pena, mas nao so da vida virtual, deleta da sua existencia.


Tava com saudade de "te ler" por aqui.

Beijos
Nathy

João Rocha disse...

Olá,nobre blogueira.

Gostei da sua criatividade.O seu
trabalho tem sentido.O blog está
bem desenhado,insinuante. Parabéns.
Quero seguir o seu blog.Acesse o meu blog:http://João Rocha2.
blogspot.com Se gostar siga-me e se
não quiser recomende-o aos seus amigos.Tá? Prazer em te conhecer.

Grande abraço.Vou te esperar

Blog - Maria da Consolação disse...

Amigas(os) queridas deixem aqui suas criticas, façam comentários sempre.
Não deixem de visitar meu blog seja minha(meu)seguidor.Não deixa meu blog morrer!

Muito grata pelas visitas. Beijos de Luz!!!... no coração e na alma!!!