Translate

27 de jun de 2009

Outro desabafo.



 Gal Costa e Zeca Baleiro - Vapor barato / A Flor da Pele



Algumas coisas passam a acontecer, simplesmente, à revelia de nossos desejos e pensamentos. Acontecem apenas.
A vida passa diante dos olhos sem deixar ideias ou palavras. Deixa, por vezes , marcas e saudades, lições e esperanças.
Ando preocupada...
Preocupada com a sensação de cansaço que se apodera de mim. Com a intolerancia que habita meu espirito.
Ando cansada.
Cansada com a falta de atitude que percebo nas pessoas.
Ando zangada.
Zangada com o egoísmo de cada um.
Cada ser está tão absoluto em si mesmo que não percebe o mundo e as pessoas à sua volta.
Me parece que ninguém percebe que o outro sente e sofre, que tem problemas, dúvidas, medos e dores tão intensa quanto as suas próprias...
Ultimamente tenho visto, não sem tristeza, que as pessoas estão totalmente esquecidas de que há o " resto do mundo".
Cada vez que nossa vida "desanda" passamos a pensar em tudo o que não conquistamos, em tudo o que não fizemos diferente e no quanto o mundo, a vida e as pessoas nos machucam.
Bom seria se pensassemos (só um pouco), nas lições que aprendemos, na chance que temos em fazer diferente agora, e em quanto nós ferimos o mundo, a vida e o quanto magoamos as pessoas.
Mas é tão mais fácil sermos a vitima.
Pois é... Ando mesmo intolerante!
Intolerante com todos que se acham autruístas e ainda julgam os demais egoístas.
Intolerante com todos que julgam magoados, ofendidos, cobrados e nem notam os que estão ali ao lado. E se sentem tão sublimes que nao notam o quanto cobram, desprezam, magoam...
Estou intolernate com todos os que não tem capacidade de darem uma nova chance à si mesmo, aos demais e a possibilidade de felicidade.
De fato, carissimos, ando mesmo cansada com a medíocridade e a falta de verdade nas pessoas que vejo por aí.
Ouço coisas que chocam meu senso prático e emocional.
Não entendo bem como se ama e se despreza. Como se ama e se quer longe desse amor...
Mas não entendo mesmo, tanta coisa...
Talvez eu esteja dolorida demais por minhas próprias feridas, e por isso o resto do mundo me cause desconforto.
Enfim...
Não posso mesmo inserir conceitos, ideias e pensamentos. E, menos ainda, provar sentimentos aos outros.
Quem sou eu para ditar verdade, atitudes e virtudes...
Vou me recolher um pouco, não desse espaço, que afinal é minha alma. Mas do resto do mundo, que não tenho compreendido.

Amados, perdoem meu desabafo. É apenas um tanto de frustração, mágoas e tristezas sendo derramados.
Continuo tendo esperança e amando com devoção. Mas sinto meu coração sangrar, pela solidão que me domina, mesmo que meus desejos sejam de que ele vibre um pouco mais.
Volto logo

Amor à todos
Beijos na alma

Nenhum comentário: