Translate

17 de set de 2015

O espelho



*Texto em parceria com Filipe Sena, criador do Cachorros de Bikini. Passem lá pra ver as "Filipices" desse rapaz, que vale a pena!!!
**Postagem coletiva do grupo Escritores da Era do Compartilhamento - Amores Finitos



(Imagem by Google)



            O Amor dela acabou. Dava pra ver nos olhos dela. Ela estava na minha frente, mas só me olhava quando não podia evitar. Tentava disfarçar, conversava como se nada tivesse acontecido, ria como sempre e parecia tão incomodada com a música do lugar quanto sempre. Tudo estava igual… Menos os olhos.
            Ela se orgulhava de conseguir enganar qualquer um, mas comigo era diferente, bastava olhar nos olhos dela para lê-la como um livro infantil. Mais imagens do que palavras e sem significados ocultos. Ela contou uma meia duzia de mentiras e eu não acreditei. Foi como a gente se conheceu, foi quando o amor apareceu nos olhos dela.
            Quando me falavam dela diziam que ela não prestava, que tinha namorados e amigos quase como um material descartável. “Ela se cansa rápido das pessoas”, me diziam, “Relacionamentos já nascem com prazo de validade, qualquer dia eu descubro qual o prazo do nosso”, me dizia ela. Eu sabia que ela não estava mentindo.
            Antes dela minha vida não tinha muita cor, nem cheiro e nem sabor. A mudança não demorou. Com ela vieram todas as cores, odores desconhecidos e sabores fortes, doces e amargos. Principalmente os amargos. Amargo de travar na garganta, de deixar careta depois de passar. Melhor do que qualquer doce que eu já provei. “Não seja tão doce, doce demais   qenjoa”, ela dizia de mim, mas eu nem ligava. Talvez fosse disso que ela realmente gostava, de ter alguém menos amargo, com gosto mais fraco e que não desafiava o paladar… Mas houve um dia, me lembro como se fosse agora, quando ela me olhou e nos olhos dela não havia nada para mim. Nem amor, nem mentiras.
            Hoje estamos aqui. Juntos. Mas não vejo mais amor nos olhos dela. Talvez ela não queira admitir. Se recusa a reconhecer o corpo inerte do amor que ela um dia teve por mim. Quem sabe ela conseguiu se enganar de tal maneira que ficou impossível perceber o pobre sentimento morto estirado na nossa frente... No final não importa se ela não sabe ou finge não saber. Eu sei. Acabou. O amor dela morreu.

* * *

           O amor dele parecia infinito. Os olhos atentos aos meu gestos me deixavam nervosa. Eu tentava não fitá-lo. A música me incomodava, mas ele parecia gostar. Eu falava, falava tanto que parecia um monólogo. Apenas meus olhos podiam me denunciar. Nunca entendi bem de amores infinitos.
            Era estranho agora, ele tinha a certeza de me conhecer bem, mas eu sempre fora boa em enganar. Nunca gostei de ser lida nem adivinhada,. Eu falei qualquer coisa e ele riu, como se em nada acreditasse. Nunca entendi de credibilidade, mas gostei daquele riso doce. Curioso é que pra ele eu quase não mentia, não via muita razão. Embora ele me cansasse como todos os outros, acabou se mostrando uma companhia muito melhor do que o esperado. As pessoas diziam horrores sobre mim e ele ria, sempre ria. Nunca desejei nada a longo prazo, e nisso ele acreditava. Amor só dura o tempo que durar, um ano, um mês, um dia. Com ele durou um pouco mais.
            Causei alguns estragos, eu sei. "Doce demais" eu lhe dizia, a vida dele parecia morna e não havia alegria. Então eu cheguei feito um estrondo, como na musica que ele ouvia pra lembrar de mim. Invadi  sem discrição, eu o fiz rir e chorar, mas ele continuou suave, risonho, amoroso. Eu sabia que era intensa, ardente, por vezes assustadora. Rasguei sua poesia com unhas fortes e afiadas, deixei que se inebriasse de mim como um veneno viciante. Ria de suas pequenas trapalhadas, causava certo mal por mero prazer, mas gostava desse sabor que era ele, diferente de tudo que travava na minha garganta ele me descia fácil. Era quase como se pudesse ser eterno. Só que nunca me interessei por eternidade. Um dia olhei nos olhos dele e em mim não havia nada.
            Hoje estamos juntos aqui, eu olho pra ele e tudo o que eu nunca soube, mas tentei entender, se estende diante de nós. Um sentimento curvado que eu bem sei como é. Difícil é admitir. No fundo eu sei que ele sabe. O meu amor acabou.


(A música citada no texto é essa aqui )

Links dos demais textos com o mesmo tema:

Leca Lichacovsck Não acredito em amores finitos

Jeessy Batista


Cíntia Gomes Você não sabe o que é amor


Juliane Rodrigues Poucos parágrafos e um fim.


Um comentário:

Rodrigo Cerveira Cittadino disse...

Demorei para passar aqui, mas vim. Lido. Agora comento.
Você e Filipe escreveram em conjunto? Porque a sintonia ficou tão boa que não dá para perceber quando termina a Mariah e começa o Filipe, ou vice-versa. :)
Está muito bem escrito. O único pitaco que dou é na metáfora "material descartável": vocês podiam pensar em algo mais específico, para a frase ficar mais forte.
Quanto ao conteúdo... Sei lá, sou meio cético, mas também meio otimista. Acho que podem existir amores eternos, mas são raros. Eram mais frequentes em gerações passadas, hehe! Mas não quer dizer que o relacionamento não possa continuar, e bem, com base, por exemplo, numa amizade duradoura.
É isso! :D